PDF Imprimir E-mail

 Caros párocos, religiosas e agentes de pastoral,
Como já é de vosso conhecimento, todos os anos, no 4º Domingo da Páscoa, chamado de Domingo do Bom Pastor, a Igreja nos convida, na pessoa do Papa a dirigir preces e orações pelas vocações.Com esse espírito de rogar ao Senhor da messe, publicamos algumas sugestôes de materiais, para que possam incentivar as vossas comunidades para essa finalidade.

Peço que organizem, na medida do possível e envolvam principalmente os catequizandos e catequistas durante a semana que precede o dia 15 de maio, com esses subsídios em anexo.
Certo de contar com o vosso empenho como promotores e promotoras vocacionais , despeço-me desejando um Santo Tempo de Páscoa para todos vocês!
 
Fraternalmente,

Pe. Heliton


 
Pe. Heliton
Pastoral Vocacional -Serviço de Animação Vocacional
Diocese de Assis


ANEXO 1
MENSAGEM DO SANTO PADRE – “Propor as vocações na Igreja local”

Queridos irmãos e irmãs!
O 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que será celebrado no dia 15 de maio de 2011, 4º Domingo de Páscoa, convida-nos a refletir sobre o tema: “Propor as vocações na Igreja local”. Há 60 anos, o Venerável Papa Pio XII instituiu a Pontifícia Obra para as Vocações Sacerdotais. Depois, em muitas dioceses, foram fundadas pelos Bispos obras semelhantes, animadas por sacerdotes e leigos, correspondendo ao convite do Bom Pastor, quando, “ao ver as multidões, encheu-se de compaixão por elas, por andarem fatigadas e abatidas como ovelhas sem pastor” e disse: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois, ao dono da messe que mande trabalhadores para a sua messe” (Mt 9, 36-38).
A arte de promover e cuidar das vocações encontra um luminoso ponto de referência nas páginas do Evangelho, onde Jesus chama os seus discípulos para O seguir e educa-os com amor e solicitude. Objeto particular da nossa atenção é o modo como Jesus chamou os seus mais íntimos colaboradores a anunciar o Reino de Deus (cf. Lc 10, 9). Para começar, vê-se claramente que o primeiro ato foi a oração por eles: antes de os chamar, Jesus passou a noite sozinho, em oração, à escuta da vontade do Pai (cf. Lc 6, 12), numa elevação interior acima das coisas de todos os dias. A vocação dos discípulos nasce, precisamente, no diálogo íntimo de Jesus com o Pai. As vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada são fruto, primariamente, de um contato constante com o Deus vivo e de uma oração insistente que se eleva ao “Dono da messe” quer nas comunidades paroquiais, quer nas famílias cristãs, quer nos cenáculos vocacionais.
O Senhor, no início da sua vida pública, chamou alguns pescadores, que estavam trabalhando nas margens do lago da Galileia: “Vinde e segui-Me, e farei de vós pescadores de homens” (Mt 4, 19). Mostrou-lhes a sua missão messiânica com numerosos “sinais”, que indicavam o seu amor pelos homens e o dom da misericórdia do Pai; educou-os com a palavra e com a vida, de modo a estarem prontos para ser os continuadores da sua obra de salvação; por fim, “sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai” (Jo 13, 1), confiou-lhes o memorial da sua morte e ressurreição e, antes de subir ao Céu, enviou-os por todo o mundo com este mandato: “Ide, pois, fazer discípulos de todas as nações” (Mt 28, 19).
A proposta, que Jesus faz às pessoas ao dizer-lhes “Segue-Me!”, é exigente e exaltante: convida-as a entrar na sua amizade, a escutar de perto a sua Palavra e a viver com Ele; ensina-lhes a dedicação total a Deus e à propagação do seu Reino, segundo a lei do Evangelho: “Se o grão de trigo cair na terra e não morrer, fica só ele; mas, se morrer, dá muito fruto” (Jo 12, 24); convida-as a sair da sua vontade fechada, da sua ideia de auto-realização, para embrenhar-se noutra vontade, a de Deus, deixando-se guiar por ela; faz-lhes viver em fraternidade, que nasce desta disponibilidade total a Deus (cf. Mt 12, 49-50) e se torna o sinal distintivo da comunidade de Jesus: “O sinal por que todos vos hão de reconhecer como meus discípulos é terdes amor uns aos outros” (Jo 13, 35).
Também hoje, o seguimento de Cristo é exigente; significa aprender a ter o olhar fixo em Jesus, a conhecê-Lo intimamente, a escutá-Lo na Palavra e a encontrá-Lo nos Sacramentos; significa aprender a conformar a própria vontade à d’Ele. Trata-se de uma verdadeira e própria escola de formação para quantos se preparam para o ministério sacerdotal e a vida consagrada, sob a orientação das autoridades eclesiásticas competentes. O Senhor não deixa de chamar, em todas as estações da vida, para partilhar a sua missão e servir a Igreja no ministério ordenado e na vida consagrada; e a Igreja “é chamada a proteger este dom, a estimá-lo e amá-lo: ela é responsável pelo nascimento e pela maturação das vocações sacerdotais” (João Paulo II, Exort. ap. pós-sinodal Pastores dabo vobis, 41). Especialmente neste tempo, em que a voz do Senhor parece sufocada por “outras vozes” e a proposta de O seguir oferecendo a própria vida pode parecer demasiado difícil, cada comunidade cristã, cada fiel, deveria assumir, conscientemente, o compromisso de promover as vocações. É importante encorajar e apoiar aqueles que mostram claros sinais de vocação à vida sacerdotal e à consagração religiosa, de modo que sintam o entusiasmo da comunidade inteira quando dizem o seu “sim” a Deus e à Igreja. Da minha parte, sempre os encorajo como fiz quando escrevi aos que se decidiram entrar no Seminário: “Fizestes bem [em tomar essa decisão], porque os homens sempre terão necessidade de Deus – mesmo na época do predomínio da técnica no mundo e da globalização –, do Deus que Se mostrou a nós em Jesus Cristo e nos reúne na Igreja universal, para aprender, com Ele e por meio d’Ele, a verdadeira vida e manter presentes e tornar eficazes os critérios da verdadeira humanidade” (Carta aos Seminaristas, 18 de Outubro de 2010).
É preciso que cada Igreja local se torne cada vez mais sensível e atenta à pastoral vocacional, educando em nível familiar, paroquial e associativo, sobretudo os adolescentes e os jovens – como Jesus fez com os discípulos – para maturarem uma amizade genuína e afetuosa com o Senhor, cultivada na oração pessoal e litúrgica; para aprenderem a escuta atenta e frutuosa da Palavra de Deus, através de uma familiaridade crescente com as Sagradas Escrituras; para compreenderem que entrar na vontade de Deus não aniquila nem destrói a pessoa, mas permite descobrir e seguir a verdade mais profunda de si mesmos; para viverem a gratuidade e a fraternidade nas relações com os outros, porque só abrindo-se ao amor de Deus é que se encontra a verdadeira alegria e a plena realização das próprias aspirações. “Propor as vocações na Igreja local” significa ter a coragem de indicar, através de uma pastoral vocacional atenta e adequada, este caminho exigente do seguimento de Cristo, que, rico de sentido, é capaz de envolver toda a vida.
Dirijo-me particularmente a vós, queridos Irmãos no Episcopado. Para dar continuidade e difusão à vossa missão de salvação em Cristo, “promovam o mais possível as vocações sacerdotais e religiosas, e de modo particular as missionárias” (Decr. Christus Dominus, 15). O Senhor precisa da vossa colaboração, para que o seu chamamento possa chegar aos corações de quem Ele escolheu. Cuidadosamente escolhei os dinamizadores do Centro Diocesano de Vocações, instrumento precioso de promoção e organização da pastoral vocacional e da oração que a sustenta e garante a sua eficácia. Quero também recordar-vos, amados Irmãos Bispos, a solicitude da Igreja universal por uma distribuição equitativa dos sacerdotes no mundo. A vossa disponibilidade face a dioceses com escassez de vocações torna-se uma bênção de Deus para as vossas comunidades e constitui, para os fiéis, o testemunho de um serviço sacerdotal que se abre generosamente às necessidades da Igreja inteira.
O Concílio Vaticano II recordou, explicitamente, que o “dever de fomentar as vocações pertence a toda a comunidade cristã, que as deve promover sobretudo mediante uma vida plenamente cristã” (Decr. Optatam totius, 2). Por isso, desejo dirigir uma fraterna saudação de especial encorajamento a quantos colaboram de vários modos nas paróquias com os sacerdotes. Em particular, dirijo-me àqueles que podem oferecer a própria contribuição para a pastoral das vocações: os sacerdotes, as famílias, os catequistas, os animadores. Aos sacerdotes recomendo que sejam capazes de dar um testemunho de comunhão com o Bispo e com os outros irmãos no sacerdócio, para garantirem o húmus vital aos novos rebentos de vocações sacerdotais. Que as famílias sejam “animadas pelo espírito de fé, de caridade e piedade” (Ibid., 2), capazes de ajudar os filhos e as filhas a acolherem, com generosidade, o chamamento ao sacerdócio e à vida consagrada. Convictos da sua missão educativa, os catequistas e os animadores das associações católicas e dos movimentos eclesiais “de tal forma procurem cultivar o espírito dos adolescentes a si confiados, que eles possam sentir e seguir de bom grado a vocação divina” (Ibid., 2).
Queridos irmãos e irmãs, o vosso empenho na promoção e cuidado das vocações adquire plenitude de sentido e de eficácia pastoral, quando se realiza na unidade da Igreja e visa servir a comunhão. É por isso que todos os momentos da vida da comunidade eclesial – a catequese, os encontros de formação, a oração litúrgica, as peregrinações aos santuários – são uma ocasião preciosa para suscitar no Povo de Deus, em particular nos mais pequeninos e nos jovens, o sentido de pertença à Igreja e a responsabilidade em responder, com uma opção livre e consciente, ao chamamento para o sacerdócio e a vida consagrada.
A capacidade de cultivar as vocações é sinal característico da vitalidade de uma Igreja local. Invoquemos, com confiança e insistência, a ajuda da Virgem Maria, para que, seguindo o seu exemplo de acolhimento do plano divino da salvação e com a sua eficaz intercessão, se possa difundir no âmbito de cada comunidade a disponibilidade para dizer “sim” ao Senhor, que não cessa de chamar novos trabalhadores para a sua messe. Com estes votos, de coração concedo a todos a minha Bênção Apostólica.

Vaticano, 15 de Novembro de 2010.

ANEXO 2
ORAÇÃO VOCACIONAL

Deus de bondade,
em Jesus Cristo vós nos destes vosso maior tesouro.
Que vosso Espírito nos ajude
a ouvir seu chamado de amor
e a encontrar a alegria da vida plena e realizada,
como ensina o papa Bento 16:

“Não temam! Abram de par em par as portas a Cristo!
Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada
– absolutamente nada – do que faz a vida livre, bela e grande.
Só com esta amizade abrem-se as portas da vida.
Só com esta amizade abrem-se realmente
as grandes potencialidades da condição humana.
Só com esta amizade experimentamos o que é belo
e o que nos liberta...
Não tenham medo de Cristo!
Ele não tira nada e dá tudo.
Quem se dá a Ele recebe cem por um.
Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo
e encontrarão a verdadeira vida!”

Queremos, Senhor,
ver a vida iluminados pela fé em Jesus,
transbordando de alegria e gratidão pelo dom deste encontro,
e nos comprometer com Ele como amigos íntimos e discípulos,
na missão de testemunhar e anunciar ao mundo
as maravilhas do Evangelho.

Maria, querida Mãe,
ajudai-nos a ouvir o chamado de Jesus,
a sermos corajosos no compromisso com Ele
e no testemunho de seu amor
na vida de filhos e filhas de Deus.
Amém.


ANEXO 3
MISSAS VOCACIONAIS


09 de maio - segunda-feira
Acolhida
Com.: Sejam bem-vindos, irmãos e irmãs. Hoje iniciamos a SEMANA DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES. Na mensagem para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, o papa nos convida a refletir sobre o tema “propor as vocações na Igreja local”. Como Igreja e seguindo ao apelo de Jesus, “peçamos ao Senhor da Messe que envie operários para a colheita”. Iniciemos, cantando.

Preces dos Fiéis
1- Pelas famílias, para que sejam verdadeiras Igrejas domésticas, facilitando assim o surgimento de muitas vocações sacerdotais e religiosas, rezemos ao Senhor.

Senhor, escutai a nossa prece.

2- Pela santificação dos sacerdotes, a fim de que toda comunidade encontre neles a imagem do Bom Pastor que nos acolhe com o mesmo amor de Cristo, rezemos ao Senhor.

3- Pelos Religiosos e Religiosas, para que testemunhem sempre o Cristo pobre, obediente e casto, e vivam a doação total a Deus através dos mais necessitados, rezemos ao Senhor.

4- Pelas crianças, para que desde a tenra idade encontrem ambientes cristãos, onde possam crescer no amor, com harmonia e graça, rezemos ao Senhor.

Mensagem final
Com.: Na mensagem do 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, o papa Bento XVI fala da “arte de promover e cuidar das vocações” a qual encontra “um luminoso ponto de referência nas páginas do Evangelho, onde Jesus chama os seus discípulos para O seguir e educa-os com amor e solicitude”. O papa destaca que Jesus faz o chamado mediante sua intimidade com o Pai e a força da oração: “A vocação dos discípulos nasce, precisamente, no diálogo íntimo de Jesus com o Pai. As vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada são fruto, primariamente, de um contato constante com o Deus vivo e de uma oração insistente que se eleva ao ‘Dono da messe’ quer nas comunidades paroquiais, quer nas famílias cristãs, quer nos cenáculos vocacionais”. Rezemos, pois, com fé e perseverança pelas vocações!

Oração pelas Vocações
Deus de bondade,
em Jesus Cristo vós nos destes vosso maior tesouro.
Que vosso Espírito nos ajude
a ouvir seu chamado de amor
e a encontrar a alegria da vida plena e realizada,
como ensina o papa Bento 16:

“Não temam! Abram de par em par as portas a Cristo!
Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada
– absolutamente nada – do que faz a vida livre, bela e grande.
Só com esta amizade abrem-se as portas da vida.
Só com esta amizade abrem-se realmente
as grandes potencialidades da condição humana.
Só com esta amizade experimentamos o que é belo
e o que nos liberta...
Não tenham medo de Cristo!
Ele não tira nada e dá tudo.
Quem se dá a Ele recebe cem por um.
Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo
e encontrarão a verdadeira vida!”

Queremos, Senhor,
ver a vida iluminados pela fé em Jesus,
transbordando de alegria e gratidão pelo dom deste encontro,
e nos comprometer com Ele como amigos íntimos e discípulos,
na missão de testemunhar e anunciar ao mundo
as maravilhas do Evangelho.

Maria, querida Mãe,
ajudai-nos a ouvir o chamado de Jesus,
a sermos corajosos no compromisso com Ele
e no testemunho de seu amor
na vida de filhos e filhas de Deus.
Amém.

Dia 10 de maio – terça-feira
Acolhida
Com.: Queridos Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos à nossa celebração eucarística da SEMANA DE ORAÇÃO PELAS AS VOCAÇÕES. Diante da proposta exigente e exaltante de Jesus para segui-lo, queremos rezar principalmente pelos jovens para que respondam ao chamado de Deus e encontrem a verdadeira alegria e realização. Também nós, ao abrir os nossos corações ao chamado de Deus, possamos ter coragem de nos levantar do nosso comodismo e ir ao encontro do Senhor, Pão da Vida, que nos alimenta e mata a nossa sede. Iniciemos cantando.

Preces dos Fiéis
1- Pelo clero, pelos religiosos e religiosas, a fim de que se fortaleçam no Pão da Vida e façam do seu testemunho sinal do chamado de Deus para o mundo de hoje, rezemos ao Senhor.

Senhor, dai-nos a coragem de testemunhar seu Evangelho.

2- Pelos jovens, para que descubram a grandeza do amor de Jesus e aceitem o desafio de o seguirem a fim de encontrarem a verdadeira vida na alegria e realização cristãs, rezemos ao Senhor.

3- Pelos pais e mães, para que alimentem seus filhos não só com o pão material, mas também com o Pão do Céu, Jesus, em sua Palavra e Eucaristia, rezemos ao Senhor.

4- Por todos nós, para que tenhamos um profundo amor pelo Corpo e Sangue de Nosso Senhor e, alimentados por Ele, possamos testemunhar com coragem e alegria o discipulado cristão no trabalho pelas vocações, rezemos ao Senhor.

Mensagem final
Com.: O Senhor não deixa de chamar... Porém, diz o papa na mensagem do 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações: “A proposta, que Jesus faz às pessoas ao dizer-lhes ‘Segue-Me!’, é exigente e exaltante: convida-as a entrar na sua amizade, a escutar de perto a sua Palavra e a viver com Ele; ensina-lhes a dedicação total a Deus e à propagação do seu Reino, segundo a lei do Evangelho: ‘Se o grão de trigo cair na terra e não morrer, fica só ele; mas, se morrer, dá muito fruto’ (Jo 12, 24)”. Essa vida nova em Cristo é capaz de trazer verdadeira alegria e realização, mas é necessária a coragem para responder ao convite do Senhor, de ver n’Ele a grande novidade de Deus para nossas vidas. Por isso, é fundamental a oração pelas vocações que também abre os nossos corações ao chamado do Senhor. Rezemos...

Oração pelas Vocações (ver dia 9 de maio)

dia 11 de maio - quarta-feira
Acolhida
Com.: Caríssimos irmãos e irmãs, celebramos hoje o terceiro dia de Oração pelas Vocações desta semana que nos convida a refletir com o tema: “ABRIR-SE AO CHAMADO DE DEUS: ALEGRIA E REALIZAÇÃO”. Jesus nos envia e sustenta a nossa missão, dando-nos a si mesmo como alimento ao dizer: “Eu sou o Pão da Vida”. Com esta certeza, temos o compromisso de abrir-se à vontade do Pai e dar testemunho de fé e compromisso com a sua Igreja e, assim, voltar a nossa atenção aos jovens de nossas comunidades, acompanhar aqueles que querem seguir o chamado de Deus à vida consagrada, rezar pela perseverança e pela fidelidade desses jovens. Iniciemos a Santa Missa, cantando.

Preces dos Fiéis
1-  Senhor, que o testemunho de nosso Papa, nossos Bispos, Sacerdotes e Religiosos, Vos faça conhecido, cativante e assim possais atrair a Vós toda humanidade, como é vosso desejo. Rezemos.

 Senhor, escutai a nossa prece.

2- Que o Senhor desperte sempre mais em todos nós a consciência de que Deus nos chama para o serviço, fazendo com que a nossa comunidade seja verdadeiramente solidária. Rezemos.

3- Para que ao “Abrir-se ao chamado de Deus”, sintamos realmente alegria e realização no compromisso de promoção das vocações na Igreja local. Rezemos.

4-  Para que os jovens descubram com alegria o chamado do Senhor e que testemunhem com coragem o apelo que Deus lhes faz. Rezemos.

5- Que a Oração pelas Vocações seja uma constante em nossas vidas e em nossa comunidade. Rezemos.


Mensagem Final
Com.: O papa Bento XVI, na mensagem para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, nos faz um grande alerta: “Especialmente neste tempo, em que a voz do Senhor parece sufocada por ‘outras vozes’ e a proposta de O seguir oferecendo a própria vida pode parecer demasiado difícil, cada comunidade cristã, cada fiel, deveria assumir, conscientemente, o compromisso de promover as vocações. É importante encorajar e apoiar aqueles que mostram claros sinais de vocação à vida sacerdotal e à consagração religiosa, de modo que sintam o entusiasmo da comunidade inteira quando dizem o seu ‘sim’ a Deus e à Igreja.” Desta maneira, rezemos e trabalhemos sempre pelas vocações.

Oração pelas Vocações (ver dia 9 de maio)


dia 12 de maio - quinta-feira
Acolhida
Com.: Bem-vindos, caríssimos irmãos e irmãs. Caminhamos na SEMANA DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES em preparação para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações. A Igreja quer dizer a todos: “Coragem! Deus te chama”. É o Senhor quem nos atrai e Ele espera a nossa resposta generosa, pois quando, com alegria, nos abrimos a esse chamado, nos realizamos como filhos e filhas amados de Deus e, diante do nosso compromisso, somos capacitados com sua graça  para bem vivermos nossa vocação no dia a dia. Iniciemos a santa missa, cantando.
 
 
Preces dos Fiéis
1- Para que saibamos, com sabedoria, responder ao chamado de Deus todos os dias em nossas vidas e nos coloquemos à sua disposição. Nós vos pedimos, Senhor.
 
Senhor, ensinai-nos a vos dizer “sim”.
 
2- Por todos os que responderam "sim" ao chamado divino, para que sejam perseverantes e confiem no amor de Deus. Nós vos pedimos, Senhor.
 
3- Por todos os que são chamados e ainda não despertaram à sua vocação, para que sejam iluminados com a luz do Espírito Santo. Nós vos pedimos, Senhor.
 
4- Por todos os vocacionados e vocacionadas que se encontram em crise, para que sejam fortalecidos com nossas orações. Nós vos pedimos, Senhor.
 
5- Por que todos os que assumem com amor  a sua vocação, a exemplo de Maria, a grande vocacionada, também sejam exemplos a serem seguidos. Nós vos pedimos, Senhor.

Mensagem Final
Com.: Na mensagem para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, o papa nos motiva ao trabalho vocacional, dizendo: “É preciso que cada Igreja local se torne cada vez mais sensível e atenta à pastoral vocacional, educando em nível familiar, paroquial e associativo, sobretudo os adolescentes e os jovens – como Jesus fez com os discípulos – para maturarem uma amizade genuína e afetuosa com o Senhor, cultivada na oração pessoal e litúrgica; para aprenderem a escuta atenta e frutuosa da Palavra de Deus, através de uma familiaridade crescente com as Sagradas Escrituras; para compreenderem que entrar na vontade de Deus não aniquila nem destrói a pessoa, mas permite descobrir e seguir a verdade mais profunda de si mesmos; para viverem a gratuidade e a fraternidade nas relações com os outros, porque só abrindo-se ao amor de Deus é que se encontra a verdadeira alegria e a plena realização das próprias aspirações. ‘Propor as vocações na Igreja local’ significa ter a coragem de indicar, através de uma pastoral vocacional atenta e adequada, este caminho exigente do seguimento de Cristo, que, rico de sentido, é capaz de envolver toda a vida.”

Oração pelas Vocações (usar projeção ou folhetos impressos distribuídos às paróquias)


dia 13 de maio - sexta-feira
Acolhida
Com.: Irmãos e irmãs, sejam bem-vindos a esta celebração Eucarística dentro da Semana de Oração pelas Vocações. “Vocação” significa chamamento e todos nós somos chamados por Deus! Ele se dirige a todos os homens e mulheres e espera uma resposta de amor e de compromisso com. Rendamos graças pela resposta vocacional afirmativa de tantos homens e mulheres que continuam a missão de Jesus e peçamos principalmente que os jovens despertem para este diálogo de amor a fim de encontrarem verdadeira alegria e realização. Iniciemos cantando.

Preces dos Fiéis
1- Por todos os Sacerdotes que tornam possível a presença do Corpo e Sangue de Cristo no meio de nós, rezemos ao Senhor

Senhor, chamai-nos ao vosso serviço.

2- Por toda a Igreja, principalmente pelos leigos e leigas que assumem o seu batismo. Para que possam comprometer-se com a promoção do bem comum, com a dignidade dos direitos do ser humano e com a construção da paz e da justiça. Rezemos ao Senhor.

3- Por todas as famílias de nossa comunidade, para que sejam berço de novas vocações onde possam nascer e desenvolver-se pessoas preparadas para assumir as diferentes vocações e ministérios na Igreja. Rezemos ao Senhor.

4- Para que todas as pessoas sintam-se chamadas a ser imagem de Deus, membros da comunidade servidora de Cristo, e comprometidas com a plenitude da vida no amor fraterno. Rezemos ao Senhor.

Mensagem Final
Com.: O papa Bento XV, em sua mensagem para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, lembra que “o dever de fomentar as vocações pertence a toda a comunidade cristã, que as deve promover sobretudo mediante uma vida plenamente cristã”. Por isso, fala a nós: “Em particular, dirijo-me àqueles que podem oferecer a própria contribuição para a pastoral das vocações: os sacerdotes, as famílias, os catequistas, os animadores. Aos sacerdotes recomendo que sejam capazes de dar um testemunho de comunhão com o Bispo e com os outros irmãos no sacerdócio, para garantirem o húmus vital aos novos rebentos de vocações sacerdotais. Que as famílias sejam ‘animadas pelo espírito de fé, de caridade e piedade’, capazes de ajudar os filhos e as filhas a acolherem, com generosidade, o chamamento ao sacerdócio e à vida consagrada. Convictos da sua missão educativa, os catequistas e os animadores das associações católicas e dos movimentos eclesiais ‘de tal forma procurem cultivar o espírito dos adolescentes a si confiados, que eles possam sentir e seguir de bom grado a vocação divina’”. Com a Igreja, rezemos e trabalhemos pelas vocações!

Oração pelas Vocações (ver dia 9 de maio)

dia 14/15 de maio – sábado/domingo – Domingo do Bom Pastor
Acolhida
Com.: Na intenção de rezarmos pelas vocações e assumirmos nossa missão de animadores vocacionais com entusiasmo e compromisso, participamos da Semana de Oração pelas Vocações em nossas comunidades. Hoje, Dia do Bom Pastor, o papa Bento XVI nos convida a refletir o tema: “Propor as vocações na Igreja local” e a Palavra de Deus nos chama e nos ensina a ser Pastores, tendo como modelo Jesus Cristo que, dando sua vida, mostrou que seu compromisso é defender aqueles que lhe foram confiados. Fortalecidos por essa Semana Vocacional e reconhecendo o pequeno número de vocações ao sacerdócio e à vida religiosa em nossos dias, temos a certeza de que o compromisso nos dá a missão de acompanhar e ajudar a todos que querem seguir ao chamado de Jesus Cristo, o Bom Pastor. Rezemos pelo nosso Papa Bento XVI e pelas vocações sacerdotais e religiosas. Iniciemos a Santa Missa, cantando.

Entronização da Palavra
Comentarista: Vamos acolher a Palavra de Deus que nos revela os testemunhos de muitos vocacionados e vocacionadas que disseram “sim” ao chamado de Deus. Cantemos.

Preces dos Fiéis
1- Iluminai, ó Pai, o Santo Padre o Papa Bento XVI, os Bispos e toda a Igreja, para que, por meio da pastoral comprometida preferencialmente com os mais pobres e sofridos, sejam no mundo sacramento de Cristo Bom Pastor. Rezemos.

Senhor, escutai a nossa prece.

2- Protegei nosso Bispo, Dom José Benedito Simão, e também os padres que, na nossa Diocese, entregam as suas vidas como Cristo Bom Pastor. Rezemos.

3- Olhai para os que nos governam, a fim de que também eles sejam bons pastores, cuidando responsavelmente do povo que lhes foi confiado. Rezemos.

4- Abençoai-nos, Senhor, e desperte em cada um de nós a missão de ser uma ovelha, reconhecendo a sua voz de Pastor, indo sempre ao seu encontro com alegria e fé. Rezemos.

5- Despertai em nossos jovens vocações sacerdotais e religiosas e animai os nossos seminaristas para aprofundarem a sua formação na direção do Cristo Bom Pastor. Rezemos.

Mensagem Final
Com.: Encerrando a semana de oração pelas vocações, ouçamos nosso papa que diz que “todos os momentos da vida da comunidade eclesial – a catequese, os encontros de formação, a oração litúrgica, as peregrinações aos santuários – são uma ocasião preciosa para suscitar no Povo de Deus, em particular nos mais pequeninos e nos jovens, o sentido de pertença à Igreja e a responsabilidade em responder, com uma opção livre e consciente, ao chamamento para o sacerdócio e a vida consagrada”. O papa termina nos motivando a invocar “com confiança e insistência, a ajuda da Virgem Maria, para que, seguindo o seu exemplo de acolhimento do plano divino da salvação e com a sua eficaz intercessão, se possa difundir no âmbito de cada comunidade a disponibilidade para dizer ‘sim’ ao Senhor, que não cessa de chamar novos trabalhadores para a sua messe”. Assim, rezemos.

Oração pelas Vocações (ver dia 9 de maio)


ANEXO 4
HORA SANTA VOCACIONAL


Acolhida
Com.: Irmãos e irmãs, sejam bem-vindos. Como Igreja, queremos responder ao apelo do Senhor de rezar pelas vocações a cada dia e, de forma especial, no Dia Mundial de Oração pelas Vocações. O papa Bento XVI enviou a mensagem para este dia com o tema “Propor as vocações na Igreja local” que ele mesmo explica: “‘Propor as vocações na Igreja local’ significa ter a coragem de indicar, através de uma pastoral vocacional atenta e adequada, este caminho exigente do seguimento de Cristo, que, rico de sentido, é capaz de envolver toda a vida”. Iniciemos nossa hora santa acolhendo o Santíssimo Sacramento.

(Canto de acolhida do Santíssimo Sacramento. Todos se ajoelham.)

Pres.: Graças e louvores se deem a todo momento,
Todos: Ao santíssimo e digníssimo Sacramento.

(Momento de silêncio contemplativo.)

Leitor 1: Na mensagem do 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, o papa lembra que o trabalho pelas vocações é dever de toda Igreja ao dizer: “O Senhor não deixa de chamar, em todas as estações da vida, para partilhar a sua missão e servir a Igreja no ministério ordenado e na vida consagrada; e a Igreja ‘é chamada a proteger este dom, a estimá-lo e amá-lo: ela é responsável pelo nascimento e pela maturação das vocações sacerdotais’”.
Leitor 2: Continua o papa: “Especialmente neste tempo, em que a voz do Senhor parece sufocada por ‘outras vozes’ e a proposta de O seguir oferecendo a própria vida pode parecer demasiado difícil, cada comunidade cristã, cada fiel, deveria assumir, conscientemente, o compromisso de promover as vocações. É importante encorajar e apoiar aqueles que mostram claros sinais de vocação à vida sacerdotal e à consagração religiosa, de modo que sintam o entusiasmo da comunidade inteira quando dizem o seu ‘sim’ a Deus e à Igreja”.
Leitor 1: Motivando-nos sobre este grave dever, o papa nos ensina que o trabalho pelas vocações começa e se fundamenta na oração. O próprio Jesus, antes de chamar seus colaboradores mais íntimos, “passou a noite sozinho, em oração, à escuta da vontade do Pai (cf. Lc 6, 12), numa elevação interior acima das coisas de todos os dias”.
Leitor 2: De maneira profunda, diz o papa: “A vocação dos discípulos nasce, precisamente, no diálogo íntimo de Jesus com o Pai. As vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada são fruto, primariamente, de um contato constante com o Deus vivo e de uma oração insistente que se eleva ao ‘Dono da messe’ quer nas comunidades paroquiais, quer nas famílias cristãs, quer nos cenáculos vocacionais”.
Leitor 1: Com Jesus e por Ele, queremos assumir com coragem o trabalho pelas vocações, aprender do Mestre a “arte de promover e cuidar das vocações”.

Canto: (caso a melodia não seja conhecida, pode-se rezar todos juntos.)

Enviai, Senhor, muitos operários,
para a vossa messe,
pois a messe é grande Senhor
e os operários são poucos!

Leitor 1: Na sua mensagem, o papa reconhece que a dinâmica do chamado de Jesus é “exigente e exaltante”; diz: “(Jesus convida as pessoas) a entrar na sua amizade, a escutar de perto a sua Palavra e a viver com Ele; ensina-lhes a dedicação total a Deus e à propagação do seu Reino, segundo a lei do Evangelho: ‘Se o grão de trigo cair na terra e não morrer, fica só ele; mas, se morrer, dá muito fruto’ (Jo 12, 24); convida-as a sair da sua vontade fechada, da sua ideia de auto-realização, para embrenhar-se noutra vontade, a de Deus, deixando-se guiar por ela; faz-lhes viver em fraternidade, que nasce desta disponibilidade total a Deus (cf. Mt 12, 49-50) e se torna o sinal distintivo da comunidade de Jesus: ‘O sinal por que todos vos hão de reconhecer como meus discípulos é terdes amor uns aos outros’(Jo 13, 35)”.
Leitor 2: Continua o papa: “Também hoje, o seguimento de Cristo é exigente; significa aprender a ter o olhar fixo em Jesus, a conhecê-Lo intimamente, a escutá-Lo na Palavra e a encontrá-Lo nos Sacramentos; significa aprender a conformar a própria vontade à d’Ele. Trata-se de uma verdadeira e própria escola de formação para quantos se preparam para o ministério sacerdotal e a vida consagrada, sob a orientação das autoridades eclesiásticas competentes”.
Leitor 1: Dessa realidade, é que Bento XVI volta a destacar a responsabilidade de todos no trabalho pelas vocações: “É preciso que cada Igreja local se torne cada vez mais sensível e atenta à pastoral vocacional, educando em nível familiar, paroquial e associativo, sobretudo os adolescentes e os jovens – como Jesus fez com os discípulos – para maturarem uma amizade genuína e afetuosa com o Senhor, cultivada na oração pessoal e litúrgica; para aprenderem a escuta atenta e frutuosa da Palavra de Deus, através de uma familiaridade crescente com as Sagradas Escrituras; para compreenderem que entrar na vontade de Deus não aniquila nem destrói a pessoa, mas permite descobrir e seguir a verdade mais profunda de si mesmos; para viverem a gratuidade e a fraternidade nas relações com os outros, porque só abrindo-se ao amor de Deus é que se encontra a verdadeira alegria e a plena realização das próprias aspirações”.

Leitor 2: Rezemos, pois, juntos:

Deus de bondade,
em Jesus Cristo vós nos destes vosso maior tesouro.
Que vosso Espírito nos ajude
a ouvir seu chamado de amor
e a encontrar a alegria da vida plena e realizada,
como ensina o papa Bento 16:

“Não temam! Abram de par em par as portas a Cristo!
Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada
– absolutamente nada – do que faz a vida livre, bela e grande.
Só com esta amizade abrem-se as portas da vida.
Só com esta amizade abrem-se realmente
as grandes potencialidades da condição humana.
Só com esta amizade experimentamos o que é belo
e o que nos liberta...
Não tenham medo de Cristo!
Ele não tira nada e dá tudo.
Quem se dá a Ele recebe cem por um.
Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo
e encontrarão a verdadeira vida!”

Queremos, Senhor,
ver a vida iluminados pela fé em Jesus,
transbordando de alegria e gratidão pelo dom deste encontro,
e nos comprometer com Ele como amigos íntimos e discípulos,
na missão de testemunhar e anunciar ao mundo
as maravilhas do Evangelho.

Maria, querida Mãe,
ajudai-nos a ouvir o chamado de Jesus,
a sermos corajosos no compromisso com Ele
e no testemunho de seu amor
na vida de filhos e filhas de Deus.
Amém.

(Tempo de silêncio para meditação e oração pessoal. Pode-se cantar, em seguida, “Te amarei” – Louvemos o Senhor, 685)

Leitor 1: Por fim, o papa ressalta que, em todo momento da vida Igreja, deve-se promover as vocações a partir do sentir-se Igreja e do chamado a responder aos apelos de Deus: “todos os momentos da vida da comunidade eclesial – a catequese, os encontros de formação, a oração litúrgica, as peregrinações aos santuários – são uma ocasião preciosa para suscitar no Povo de Deus, em particular nos mais pequeninos e nos jovens, o sentido de pertença à Igreja e a responsabilidade em responder, com uma opção livre e consciente, ao chamamento para o sacerdócio e à vida consagrada”.
Leitor 2: Peçamos à Virgem Maria que nos ajude a trabalhar pelas vocações, como diz o papa, “para que, seguindo o seu exemplo de acolhimento do plano divino da salvação e com a sua eficaz intercessão, se possa difundir no âmbito de cada comunidade a disponibilidade para dizer ‘sim’ ao Senhor, que não cessa de chamar novos trabalhadores para a sua messe.”
Todos: Maria, a vós recomendamos a nossa juventude, em particular os jovens chamados a seguir mais de perto o vosso Filho. Vós conheceis quantas dificuldades eles devem enfrentar, quantas lutas, quantos obstáculos. Ajudai-os a pronunciar, também eles, o seu “Sim” ao chamamento divino, como vós fizestes no convite do Anjo. Chamai-os para junto do vosso coração, a fim de que possam compreender convosco a beleza e a alegria que os espera, quando o Onipotente os chama à sua intimidade, para os constituir testemunhas do seu amor e os tornar capazes de alegrar a Igreja com a sua consagração. Ó Virgem Maria, fazei com que todos nós possamos alegrar-nos convosco, ao ver que o amor trazido pelo vosso Filho é acolhido, conservado e amado. Fazei com que possamos ver, também nos nossos dias, as maravilhas da ação misteriosa do Espírito Santo. Amém.

(Seguem-se o canto “Tão sublime” e a bênção do Santíssimo com a fórmula de louvores.)

Canto Final:

CORAGEM, ELE TE CHAMA (pode-se cantar somente o refrão)
(Pedro Brito Guimarães – CD: Ele te chama – Grupo Quaerite – Paulinas/Comep)

Sentado à beira da estrada perdido e na solidão
Mendigo, cego e sem-nada, clamando por compaixão
E a multidão que passava a minha voz abafou
Disse a Jesus que me olhava: "Tem pena de mim, Senhor”

Coragem, levanta-te! Ele te chama!
Ele te chama! Ele te chama!
Coragem, levanta-te! Ele te ama!
Ele te ama! Ele te ama!

Chamado a te coragem: convite a me levantar
Senhor, na tua passagem aqui por este lugar
Nos traga um sopro de vida e um novo raio de luz:
A graça que nos convida a caminhar com Jesus

Eu quero ver novamente e ouvir do teu grande amor:
"Deixa de ser mendicante, a tua fé te salvou!"
Larguei meu manto e parti na direção de Jesus
E a liberdade senti, guiado por tua luz

A história do Bartimeu é a história da humanidade
Da vida que renasceu de um grito por liberdade
A vocação é chamado, sim em resposta à missão
De um povo por Deus amado, que doa o seu coração

E aqui estamos, Senhor, a Igreja em mutirão
No mais sublime louvor e na mais profunda oração
Queremos juntos viver a fé no Deus que nos ama
E com coragem dizer, um sim ao Deus que nos chama

ANEXO 5
ENCONTRO PARA CATEQUESE DE PRIMEIRA EUCARISTIA


“Coragem, levanta-te, ele te chama.” (Mc 10,49b)

A. Acolhida: Bom dia! Sejam bem-vindos
• O catequista chama cada catequizando pelo seu nome e cada um responde: “Estou aqui”. Em seguida questiona: como passaram a semana? (deixar falar)
• O catequista convida para oração começando pelo Sinal da cruz, invocação ao Espírito Santo...

B. Motivação: O catequista traz um cartaz mostrando várias profissões e questiona: o que nos leva a essa ou aquela direção em nossa vida? (deixar falar)
• Hoje vamos falar sobre “Vocação”: o que quer dizer essa palavra? (deixar falar)
• Vocação = chamado. Na Bíblia temos vários chamados; por exemplo, no Antigo Testamento, vamos ler a Vocação de Samuel (ler: 1Sm 3, 1-10. Podem-se citar alguns outros nomes do A.T.)
• Hoje vamos falar em específico da vocação dos padres, religiosos e religiosas.

C. Colocar o tema:
• Jesus quer precisar de pessoas para ajudá-lo a propagar a sua Palavra; para isso chama as pessoas pelo nome e elas dão a sua resposta.
• Cantar o Refrão: Senhor se tu me chamas, eu quero te ouvir. Se queres que eu te siga, respondo “eis-me aqui!”
• Assim aconteceu com nossos padres, irmãos e irmãs, freis e freiras.
• Lembrar nomes de alguns padres que passaram em nossa paróquia e escrever os nomes na lousa; também de alguma irmão/irmã/frei/freira que conhecemos.
• Contar a história que segue:

O  AQUÁRIO
“Cristo nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres.
Permanecei firmes, portanto, e não vos deixeis prender de novo ao jugo da escravidão.” (Gl 5,1)

 Era uma vez... um grande aquário, cheio de peixes. Peixes de todos os tamanhos: grandão, grande, pequeno, bem pequenino.
 O peixinho menor de todos era muito inquieto, não se conformava com aquela vida. Queria sair dali.
 Certo dia ele encontrou um pequeno buraco no alto do aquário. O buraco era bem pequeno. Ele, então, deu um salto, encolheu-se todo e conseguiu sair do aquário. Do aquário foi ao chão, onde havia muita água, pois estava sendo lavado. Da casa alcançou a rua, a sarjeta, onde corria água.
 O peixinho estava com sorte, pois havia acabado de chover e a rua estava cheia de poças d’água.  E o peixinho foi avançando de poça em poça...  No caminho escapou de um gato, quase foi esmagado por um carro, e continuava firme...
 Num certo momento, ele avistou ao longe uma lagoa.  Após um grande esforço, ele conseguiu chegar até lá. E curtiu aquele momento. Uma lagoa só para si. Que maravilha! Entretanto, ele olhou mais à frente e viu uma grande e bela represa. Era de difícil acesso, mas ele não pensou duas vezes e lutou, lutou, passando de poça em poça, até chegar lá e... conseguiu!
 Que delícia! Ele estava exultante de alegria. “Que bela represa, cheia de novidades! Quanto espaço, quanta água limpa, doce! Isto sim que é vida”, pensava o peixinho.
 E, de repente, ele pensou: “Estou muito bem, feliz, mas... os meus amigos precisam disso também... voltarei ao aquário para chamá-los!”
 Porém, para isso acontecer, o peixinho deveria passar novamente por todos os obstáculos que havia enfrentado a fim de chegar até aí. Mas o peixinho não conseguiu se conter em sua felicidade e resolveu enfrentar tudo para partilhar essa alegria com os amigos.
 Passou pelos obstáculos novamente (cercas, gatos, animais, carros, lamas...) e, eufórico,  chegou ao aquário dando a boa nova aos amigos:
 – Amigos, descobri um mundo novo e verdadeiro. É maravilhoso! É uma grande represa, limpa, bela, cheia de novas plantas, frutas! Venham comigo!
 Os peixes nem o deixaram acabar de falar e caíram na gargalhada. Acharam que ele havia enlouquecido. Não podiam conceber outro mundo além daquele. “Se sairmos daqui, morreremos”, dizia o grupo dos sábios peixes. Sentindo-se repelido, o peixinho voltou frustrado à represa.
 Passado algum tempo, alguns peixinhos sentiram-se deprimidos e resolveram arriscar conhecer esse mundo novo. Espremeram-se para passar pelo estreito buraco no alto do aquário e conseguiram. Foram e não voltaram mais ao aquário.
 Os peixes maiores notaram que muitos peixes saíram e não retornaram e, então,  pensaram: “  Realmente, esse mundo novo desse ser bom...” Por isso, também tentaram  sair do aquário.  Entretanto, o buraco era bem pequeno e eles eram muito grandes e não conseguiram passar.  Assim, tiveram que continuar naquele mundinho...

Reflexão. 
Como vimos, o peixinho realmente descobriu um mundo verdadeiro, o reino de Deus. Um reino onde há vida, liberdade e ar para se respirar. Foi inquieto, não se conformou em viver fechado e partiu para a vida.  Abriu-se ao chamado de Deus: alegria e realização. E você, também tem coragem de sair do comodismo e buscar a vida em Deus? Ou quer continuar no aquário, recebendo do que lhe derem?
O que podemos ainda destacar nessa historinha? (partilha)


D. Ação: Vamos, durante a semana, rezar pedindo a Jesus pelo nosso padre atual e pedindo para que outros jovens saibam acolher o convite de Jesus para serem padres, religiosos e religiosas.

E. Celebração: Vamos agora cantar:  “Amar como Jesus amou...” e rezar a oração pelas vocações:

Canto: Amar Como Jesus Amou (Padre Zezinho)
Um dia uma criança me parou
Olhou-me nos meus olhos a sorrir
Caneta e papel na sua mão
Tarefa escolar para cumprir
E perguntou no meio de um sorriso
O que é preciso para ser feliz?
Amar como Jesus amou
Sonhar como Jesus sonhou
Pensar como Jesus pensou
Viver como Jesus viveu
Sentir o que Jesus sentia
Sorrir como Jesus sorria
E ao chegar ao fim do dia
Eu sei que dormiria muito mais feliz
Ouvindo o que eu falei ela me olhou
E disse que era lindo o que eu falei
Pediu que eu repetisse, por favor
Mas não dissesse tudo de uma vez
E perguntou de novo num sorriso
O que é preciso para ser feliz?
Depois que eu terminei de repetir
Seus olhos não saíram do papel
Toquei no seu rostinho e a sorrir
Pedi que ao transmitir fosse fiel
E ela deu-me um beijo demorado
E ao meu lado foi dizendo assim

Oração Vocacional
Deus de bondade,
em Jesus Cristo vós nos destes vosso maior tesouro.
Que vosso Espírito nos ajude
a ouvir seu chamado de amor
e a encontrar a alegria da vida plena e realizada,
como ensina o papa Bento 16:

“Não temam! Abram de par em par as portas a Cristo!
Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada
– absolutamente nada – do que faz a vida livre, bela e grande.
Só com esta amizade abrem-se as portas da vida.
Só com esta amizade abrem-se realmente
as grandes potencialidades da condição humana.
Só com esta amizade experimentamos o que é belo
e o que nos liberta...
Não tenham medo de Cristo!
Ele não tira nada e dá tudo.
Quem se dá a Ele recebe cem por um.
Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo
e encontrarão a verdadeira vida!”

Queremos, Senhor,
ver a vida iluminados pela fé em Jesus,
transbordando de alegria e gratidão pelo dom deste encontro,
e nos comprometer com Ele como amigos íntimos e discípulos,
na missão de testemunhar e anunciar ao mundo
as maravilhas do Evangelho.

Maria, querida Mãe,
ajudai-nos a ouvir o chamado de Jesus,
a sermos corajosos no compromisso com Ele
e no testemunho de seu amor
na vida de filhos e filhas de Deus.
Amém.


 


ANEXO 6
ENCONTRO PARA CATEQUESE DE CRISMA


“Coragem, levanta-te, ele te chama.” (Mc 10,49b)

1. ACOLHIDA
(O catequista forma um círculo com os catequizandos e iniciam o encontro pedindo a luz do espírito Santo.)

Catequista: A Vocação é um chamado de Deus para cada pessoa humana. Independente de qual seja o caminho a ser tomado, Deus nos quer felizes. Ele nos propõe um Projeto de Vida e cabe a cada um de nós responder ao seu chamado.

2. À LUZ DA PALAVRA DE DEUS
(O catequista divide os catequizandos em dois grupos. Cada grupo receberá um texto bíblico que será lido e refletido entre os membros. Após este primeiro momento, retorna-se ao círculo maior e cada grupo expõe o que foi compreendido.)
Is 40,26-31;
Hb 12,1-4;
Jo 10,7-11;
 (escolher dois destes textos)
 
(Breve partilha ao retornarem)

• Contar a estória que segue:

 3. A ÁGUIA E A GALINHA
“Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias,
correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” (Is 40,31)

Era uma vez...  um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro para mantê-lo cativo em sua casa.  Conseguiu pegar um filhote de águia. Colocou-o no galinheiro junto com as galinhas. Comia milho e ração própria para galinhas. Embora a águia fosse a rainha de todos os pássaros.
Depois de cinco anos, este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:
– Esse pássaro aí não é galinha. É uma águia.
– De fato – disse o camponês – é águia.  Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais uma águia. Transformou-se em galinha como as outras, apesar das asas de quase três metros de extensão.
– Não – retrucou o naturalista – ela é e será sempre uma águia, pois tem um coração de águia. Este coração a fará um dia voar às alturas.
– Não, não – insistiu o camponês – ela virou galinha e jamais voará como águia.
Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e desafiando-a disse:
– Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!
A águia pousou sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.
O camponês comentou:
– Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!
– Não – tornou a insistir o naturalista – ela é uma águia. E uma águia será sempre uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.
No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa. Sussurrou-lhe:
– Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe!
Mas quando a águia viu lá embaixo as galinhas, ciscando o chão, pulou e foi para junto delas.
O camponês sorriu e voltou à carga:
- Eu lhe havia dito, ela virou galinha!
– Não – respondeu firmemente o naturalista – ela é águia, possuirá sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar.
No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram-na para fora da cidade, longe das casas dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:
– Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!
A águia olhou ao redor. Tremia como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte. Nesse momento, ela abriu suas potentes asas, grasnou com o típico  Kau-Kau das águias e ergueu-se, soberana sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez para mais alto. Voou... voou... até confundir-se com o azul do firmamento...

Reflexão
• O que mais destaco na historinha?
• Tenho sido mais galinha (submisso/a, deixando-me podar) ou águia (acreditando no meu potencial)?
• Que ligação podemos fazer das leituras meditadas com a historinha?

(Fazer uma pequena pausa para que possam pensar.)


4. CELEBRANDO A VIDA
Catequista - Encerremos o nosso encontro rezando a Oração Vocacional 2011:
Deus de bondade,
em Jesus Cristo vós nos destes vosso maior tesouro.
Que vosso Espírito nos ajude
a ouvir seu chamado de amor
e a encontrar a alegria da vida plena e realizada,
como ensina o papa Bento 16:

“Não temam! Abram de par em par as portas a Cristo!
Quem deixa Cristo entrar não perde nada, nada
– absolutamente nada – do que faz a vida livre, bela e grande.
Só com esta amizade abrem-se as portas da vida.
Só com esta amizade abrem-se realmente
as grandes potencialidades da condição humana.
Só com esta amizade experimentamos o que é belo
e o que nos liberta...
Não tenham medo de Cristo!
Ele não tira nada e dá tudo.
Quem se dá a Ele recebe cem por um.
Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo
e encontrarão a verdadeira vida!”

Queremos, Senhor,
ver a vida iluminados pela fé em Jesus,
transbordando de alegria e gratidão pelo dom deste encontro,
e nos comprometer com Ele como amigos íntimos e discípulos,
na missão de testemunhar e anunciar ao mundo
as maravilhas do Evangelho.

Maria, querida Mãe,
ajudai-nos a ouvir o chamado de Jesus,
a sermos corajosos no compromisso com Ele
e no testemunho de seu amor
na vida de filhos e filhas de Deus.
Amém.
 
(Pode-se cantar a música “O Profeta” ou outro canto vocacional conhecido. Fazer em pequena cartolina ou outro material uma águia, para lembrarmos que somos chamados a sermos águias sempre.)


 
ANEXO 7
ENCONTRO PARA GRUPOS DE ADOLESCENTES E JOVENS


“Coragem, levanta-te, ele te chama.” (Mc 10,49b)

Roteiro do encontro
1- Acolhida e motivação para o encontro;
2- Oração inicial;
3- Encenação do Evangelho de Mc10, 46-51;
4- Reflexão sobre o evangelho;
5- Preces comunitárias, concluindo com a oração do jovem pelas vocações;
6- Momento da paz;
7- Bênção.

1. ACOLHIDA E MOTIVAÇÃO PARA O ENCONTRO
Animador: Amado e amada de Deus, seja bem-vindo, seja bem-vinda, que a graça e o amor de Deus inundem todo o seu ser neste momento, transformem o seu coração e os faça felizes!

2. ORAÇÃO INICIAL
Animador: Iniciemos nosso encontro invocando a santíssima Trindade (pode ser cantado).

Animador: Invoquemos a presença de Nossa Senhora, a primeira vocacionada do Pai, para que ela esteja conosco e nos ensine a ouvir a voz de seu Filho Jesus e a fazer o que Ele nos pedir.

(Enquanto canta-se um canto mariano, faz-se a entrada com a imagem de Nossa Senhora.)

Animador: A Sagrada Escritura nos ajuda a compreender a vocação que Deus reserva a cada pessoa. A todos e a cada um, Deus oferece uma vocação e, como o profeta Jeremias, podemos afirmar que fomos indistintamente Vocacionados pelo Pai deste toda eternidade (Jr 1,5). Ele comunica a cada um de nós uma proposta que é, antes de tudo, um apelo à conversão que, no sentido bíblico, é um processo de adequação aos valores do Reino. Esse exige rupturas com tudo aquilo que contradiz o projeto do Deus da vida.

Leitor: Peçamos perdão a Deus porque muitas vezes temos o nosso coração voltado para nós mesmos, para as coisas materiais e mundanas, damos ouvido à voz do mundo e deixamos de escutar a voz de Deus. Por isso façamos um momento de silêncio e conversemos com o Pai do Céu, pedindo que Ele tenha piedade de nós.

(Canto de perdão à escolha.)

3. ENCENAÇÃO DO EVANGELHO
Animador: Vamos meditar a passagem do cego Bartimeu. Por isso cantemos preparando nosso coração para ouvir a Deus que nos fala (canto de aclamação ao evangelho à escolha).

(Encenar a passagem bíblica de Mc 10, 46-51.)

4. REFLEXÃO SOBRE O EVANGELHO
(Pode ser feita em forma de partilha.)

5. PRECES COMUNITÁRIAS
 (A resposta pode ser cantada, se conhecerem a melodia.)

1- BOM PASTOR, ilumina nosso Papa Bento, nosso Bispo Dom Simão e todo nosso clero para que possam sempre serem fiéis à Vocação e à missão que receberam do Pai. Cantemos (rezemos).

Ouvi o Grito que sai do chão, da juventude em oração.

2- “Jesus quando chama seus discípulos para o seguirem, os educa com amor e solicitude”. Pedimos-te, ó BOM PASTOR, por todos educadores de jovens e adolescentes para que sejam sustentados pela força do alto e motivados por um grande amor por eles. Cantemos (rezemos).

3- “A messe é grande e os operários são poucos”. Por isso, te pedimos, BOM PASTOR, que desperte no coração de muitos dos nossos jovens o desejo de tornarem-se operários da tua messe, e que sejam disponíveis a entregar sua vida a serviço do Reino. Cantemos (rezemos).

4- Senhor BOM PASTOR, suscitai no coração dos jovens enamorados e vocacionados ao Matrimônio o desejo de construir famílias santas onde o amor seja a base de tudo. E para que nossas famílias sejam sustentadas e alimentadas pela força desse testemunho. Cantemos (rezemos).

5- “O seguimento de Cristo exige: aprender a ter o olhar fixo em Jesus, a conhecê-Lo intimamente, a escutá-Lo na Palavra, a encontrá-Lo nos Sacramentos e a conformar a própria vontade à Dele”. Por isso te pedimos, ó BOM PASTOR, por todos os candidatos ao sacerdócio ou à vida Religiosa e Consagrada, para que sejam perseverantes nessa Busca apaixonada por Cristo. Cantemos (rezemos).

6- “Bartimeu foi curado imediatamente pela força de sua fé em Jesus”. Pedimos-te hoje, Jesus BOM PASTOR, aumenta em cada um de nós a fé em Ti e a certeza de que Tu és o Deus do impossível. Por isso depositamos em Ti, o desejo do nosso coração. Cantemos (rezemos).

7- “Jesus ouve e reconhece em Bartimeu, um vocacionado do Pai capaz de assumir atitudes de discípulo e segui-lo pelo caminho”. Pedimos, ó BOM PASTOR, para que os animadores e animadoras da Pastoral Vocacional aprendam com Jesus a reconhecer naqueles que estão à beira do caminho pessoas que também são chamadas pelo Pai a participar da construção doReino. Cantemos (rezemos).

8- “Bartimeu grita porque sabe que Deus escuta o clamor dos pobres. Seus gritos eram mais que um pedido de ajuda e compaixão. Grita para superar o barulho da multidão e pedir a Jesus uma nova vida.” Pedimos-te, ó BOM PASTOR, que possamos ouvir os gritos e as aspirações insistentes dos Bartimeus de hoje, que se repetem no clamor de muitos jovens e dos excluídos que estão mendigando à beira do caminho. Cantemos:

Animador: Concluamos nossas preces com a oração do jovem pelas vocações:

Todos: Senhor Jesus Cristo, foi com muito amor, e depois de muita oração, que escolhestes e chamastes os apóstolos para vos servir em vossa Igreja. Também eu, com muito amor e com muita insistência, vos faço esta oração: chamai hoje muitos rapazes e moças, para o serviço da vossa Igreja. Distribuí com generosidade, entre as juventudes, a graça da vocação sacerdotal, religiosa e missionária. Mostrai também a mim qual o caminho que devo seguir, e que ministério posso assumir para melhor servir ao povo de Deus. Senhor, podeis confiar em mim; eu também confio em vós. Amém!

6. MOMENTO DA PAZ
(Motiva-se o cumprimento carinhoso da Paz de Cristo. Pode cantar um canto apropriado.)

7. BENÇÃO
Animador: Ó Deus de amor, amigo dos jovens e companheiro de caminhada. Vem com tua mão acalentar nossa alma.
Todos: Amém
Animador: Vem nos capacitar para a escuta da tua voz que constantemente nos chama ao teu serviço.
Todos: Amém
Animador: Abri nossos olhos para que saibamos ver as necessidades dos nossos irmãos e irmãs que gritam por nós.
Todos: Amém
Animador: Abri nossos olhos para que saibamos ver Jesus que passa constantemente em nossa vida.
Todos: Amém
Animador: E que a Benção do Deus da vida, Pai, Filho e Espírito Santo, desça sobre todos nós.
Todos: Amém

Canto final (escolher um canto vocacional.)


ANEXO 8 – MÚSICA

CORAGEM, ELE TE CHAMA
Pedro Brito Guimarães
CD: Ele te chama – Grupo Quaerite – Paulinas/Comep

Sentado à beira da estrada perdido e na solidão
Mendigo, cego e sem-nada, clamando por compaixão
E a multidão que passava a minha voz abafou
Disse a Jesus que me olhava: "Tem pena de mim, Senhor”

Coragem, levanta-te! Ele te chama!
Ele te chama! Ele te chama!
Coragem, levanta-te! Ele te ama!
Ele te ama! Ele te ama!

Chamado a te coragem: convite a me levantar
Senhor, na tua passagem aqui por este lugar
Nos traga um sopro de vida e um novo raio de luz:
A graça que nos convida a caminhar com Jesus

Eu quero ver novamente e ouvir do teu grande amor:
"Deixa de ser mendicante, a tua fé te salvou!"
Larguei meu manto e parti na direção de Jesus
E a liberdade senti, guiado por tua luz

A história do Bartimeu é a história da humanidade
Da vida que renasceu de um grito por liberdade
A vocação é chamado, sim em resposta à missão
De um povo por Deus amado, que doa o seu coração

E aqui estamos, Senhor, a Igreja em mutirão
No mais sublime louvor e na mais profunda oração
Queremos juntos viver a fé no Deus que nos ama
E com coragem dizer, um sim ao Deus que nos chama